Caravana CPCV realiza mostra especial em homenagem a Alexandre Robatto

27 out

caravanas_cpcv_novembro

 

O projeto itinerante conta com a presença do diretor Petrus Pires e Sônia Robatto, Filha do Cineasta

No dia 4 de novembro, data em que se completa 106 anos do nascimento do primeiro cineasta da Bahia, Alexandre Robatto Filho, a Caravana CPCV projeto integrante do programa Circuito Popular de Cinema e Vídeo leva ao Espaço Cultural Alagados, às 15h e, ao Centro Cultural Plataforma, às 19h, a exibição de três consagradas produções do homenageado: Os Filmes que Eu Não Fiz (1930), Entre o Mar e o Tendal (1953) e Vadiação (1954).

O evento conta com a presença da escritora e jornalista Sônia Robatto, filha do cineasta, e Petrus Pires, diretor responsável pelo restauro da obra de Alexandre Robatto em 2013. Os convidados realizarão um debate com os espectadores, que acontecerá logo depois da mostra, sobre as obras exibidas e seu processo de restauração, a relação do cineasta com a 7ª arte e a representatividade de suas 25 produções para o cinema baiano. A especialista em cinema Amanda Aouad será responsável pela mediação.

O material escolhido para a exibição é a série Os filmes que eu não fiz, segundo trabalho do diretor Petrus Pires sobre a trajetória de Alexandre Robatto Filho. O documentário será apresentado com duas obras restauradas de Robatto: Entre o Mar e o Tenda (1953) Vadiação (1954).  Recebi um convite de Sônia Robatto para fazer parte do projeto de restauro da obra de Alexandre. Quando mergulhei no processo de restauro, o interesse foi natural, pois embarquei na fascinante obra e na vida de Alexandre Robatto”, declara Pires.
Continuar lendo

Espetáculo Menino Bolha estreia no Espaço Xisto

24 out

mb-cartaz-faces01

O espetáculo Para o Menino Bolha, com direção de Paula Lice, apresenta Maria da Graça, uma criança que não sabe muito bem como fazer amigos de verdade. Convive com sua pequena família composta da mãe, Alice, do tio, Ulisses e de duas tias, Odisséia e Ilíada, que resolvem dar um grito de independência na terceira idade e ir viver a vida em um asilo que só vive em festa. Maria conversa muito com a Girafa, seu único confidente. Pedro é um menino que não toma sol, não sabe andar de bicicleta e tem medo de sair de casa. Vive com a mãe e adora comer sonhos. Tem uma vizinha, Dona Quel, que usa bob’s, fala grave e cuida dele quando sua mãe demora de chegar em casa. Só brinca com Marquinhos quando ele aparece, mas ele quase nunca vem. A peça conta a história de como Pedro e Maria da Graça se encontraram através de uma história; a incrível história da Gilafa.

“Para o menino-bolha” é a segunda peça escrita e dirigida por Paula Lice, destinada ao público infantil. O ponto de partida do espetáculo foi a crônica “Para Maria da Graça”, de Paulo Mendes Campos, na qual o narrador apresenta o livro “Alice no país nas maravilhas” à sua afilhada, por ocasião de seu aniversário de quinze anos. A peça mistura referências que passeiam por filmes, livros de história e outras peças teatrais.

* As atividades do Festival Xistinho começam a partir das 14h, com apresentação do espetáculo às 16h.

SERVIÇO
PARA O MENINO BOLHA | segunda infância | 22 a 25 de outubro | sala principal do Espaço Xisto Bahia
Sábado, 16h
Atividades a partir 14h
Preço: R$20 e R$10

Show Musical Infantil – Turma da Criança

22 out

Postado originalmente em Blog do Cine Teatro Solar Boa Vista:

Uma banda cheia de energia e alegria onde três amigos se divertem e aprendem através da música, uma historia que nasceu na Bahia, no ano de 2014 com um sonho em comum de três amigos em levar alegria para crianças, assim surge a Banda Turma da Criançada.

A Turma da Criançada é formada por Bruna Abade (Bruna Luz), Frederico Amorim (Fred Amorym) e Mabelle Magalhães  (Belle).

No show, além de levar alegria, brincadeiras e muita diversão aos seus espectadores, a atração encanta crianças e adultos com canções que dão ao universo infantil uma nova repaginada com: muito entusiasmo, felicidade,  cidadania e amor. Com um repertório diversificado e estruturado para o universo lúdico das crianças, a banda faz do show um momento de diversão, encantamento, figurino e aprendizagem, com músicas dançantes e animadas,  os amigos levam ao palco toda riqueza e alegria, cantando grandes hits infantis.

A TURMA DA CRIANÇADA convida…

Ver original 44 mais palavras

Espetáculo “Para o Menino-Bolha” estreia no Espaço Xisto Bahia

22 out

ParaOMeninoBolhaFoto-de-JoaoMiletMeirelles-2

Duas crianças que não sabem fazer amigos e um dia se encontram através de uma história. Esses e outros cativantes personagens fazem parte de Para o Menino-Bolha, novo espetáculo da escritora e diretora Paula Lice voltado para crianças. A peça estreia dia 25 de outubro (sábado), no Espaço Xisto Bahia (Barris), onde cumpre temporada até 23 de novembro, sempre às 16h, aos sábados e domingos. Para o Menino-Bolha reafirma o olhar atento de Paula Lice para o púbico infantojuvenil, construindo histórias de forma lúdica e inteligente.

Na nova peça, ela apresenta o encontro de amizade entre duas crianças solitárias. Uma delas é Maria da Graça – que não sabe muito bem como fazer amigos de verdade, convive com sua pequena família e conversa muito com a Girafa, seu único confidente. Já Pedro é um menino que não toma sol, não sabe andar de bicicleta e tem medo de sair de casa. Vive com a mãe e adora comer sonhos.
“É a segunda vez que arrisco rabiscar uma peça para crianças”, diz Paula Lice, autora de Miúda e O Guarda-Chuva, peça que virou curta-metragem e está em processo de finalização como longa de animação. “Eu gosto de criar para crianças porque elas quase sempre me surpreendem. E também porque, a meu ver, elas experimentam melhor a curiosidade e a abertura, sem cansaço, ao que há por conhecer. Chego aqui com todas as histórias que li, ouvi, vi e vivi”, apresenta a autora.

Não à toa, em Para o Menino-Bolha, à trajetória dos personagens principais, ela entrelaça várias outras histórias e mistura referências que passeiam por filmes, livros e outras peças teatrais. As duas tias-avós de Maria da Graça, por exemplo, chamam-se Ilíada e Odisseia,  que, junto com o tio Ulisses, vão agitar um pouco a vida sobrinha. Tem ainda a mãe de Pedro, Neusa, e a vizinha, Dona Quel, que faz sonhos e cuida do garoto quando sua mãe demora de chegar em casa.

Equipe

Para o Menino-Bolha tem trilha-sonora original de Ronei Jorge e João Milet Meirelles, que formam o projeto Tropical Selvagem. Com Ronei, Paula retoma uma bem-sucedida parceria, iniciada em Miúda e o Guarda-Chuva e que passa pelo premiado curta Jessy. Fazem parte também da equipe do espetáculo, o figurinista Rino Carvalho e fotógrafa Mayra Lins, que assina a direção de arte.

Outras duas parcerias de Paula fazem parte da equipe, essas de “longas datas”, como ela mesmo diz. Márcio Nonato faz o desenho de luz do espetáculo e Lia Lordelo integra o elenco como Alice e Neusa, ao lado de Daniel Calibam (Ulisses/Tia Odisséia), Felipe Benevides (Pedro), Igor Epifânio (Girafa/ Tia Ilíada), Saulo Moreira (Dona Quel) e Yoshi Aguiar (Maria da Graça). Todos eles colaboraram dramaturgicamente para o espetáculo, sugerindo mudanças e rumos dos personagens do texto. “Para mim, histórias se constroem assim, ouvindo aqui e ali”, brinca Paula Lice, para então afirmar: “O exercício de criar em boas parcerias torna mais viáveis e mais bonitas as escolhas”.

Escritora, diretora, dramaturga, atriz e cineasta, ela é uma das artistas baianas de destaque da sua geração, numa trajetória artística que alterna linguagens e funções. “Não acho que, hoje em dia, seja possível medir qualidade por especialidade radical em um segmento exclusivo. Tenho muito mais interesse por cruzamentos, interfaces, instabilidade e terrenos movediços”, observa.

O espetáculo é uma realização de A Pequena Sala de Ideias, um território de criação, produção e colaboração artísticas, que alinhava projetos culturais nas áreas de teatro, dança, literatura e audiovisual, idealizado por Paula. O plano é impulsionar a manutenção e recriação de trabalhos artísticos realizados em diferentes períodos e contextos, além de fomentar novos encontros artísticos.

SERVIÇO
Para o Menino-Bolha
Onde: Espaço Xisto Bahia (Complexo da Biblioteca dos Barris)
Quando: Entre 25 de outubro e 23 de novembro (sábados e domingos)
Horário: 16h
Ingressos: R$ 20,00 (inteira e R$ 10,00 (meia)

Penúltima semana do Quarta que Dança 2014

21 out

QQD-22-10-2014

Campo Grande, Alagados e Engenho Velho de Brotas recebem a programação

A 16ª edição do Quarta que Dança, projeto promovido pela Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), entidade vinculada à Secretaria de Cultura do Governo do Estado (SecultBA), chega à sua penúltima semana. No dia 22 de outubro, a programação vem com três apresentações em diferentes regiões de Salvador. Todas as sessões são gratuitas.

A Praça do Campo Grande, recebe, às 16 horas, a dança de rua We can do it!, dirigida por Michele Araújo – uma obra que pretende afirmar a presença feminina na produção da dança urbana, com um elenco formado só por mulheres, expressando a luta pela conquista de espaços e provocando uma reflexão sobre o papel da mulher na sociedade.

À noite, o público poderá escolher entre dois espetáculos. Para Sempre Isadora, da Contemporânea Ensemble, estará no Espaço Cultural Alagados, às 19 horas. A montagem conta a vida de Isadora Duncan, ícone da dança moderna, considerada a precursora da dança livre, que rompeu com os padrões do ballet clássico e devolveu a dança ao seu valor como arte sagrada e popular. Coreografias originais criadas por esta dançarina entre 1900 e 1927 são aqui atualizadas por Fátima Suarez (diretora artística do Mantra Centro de Dança) e Lori Belilove (diretora artística da Isadora Duncan Foundation de Nova Iorque).

A outra opção é Balacochê, nova montagem da Bamberg Cia. de Dança, no Cine-Teatro Solar Boa Vista, às 20 horas. A obra mergulha no universo dos corpos baianos, explorando processos criativos de pessoas comuns, do povo que habita a cidade do Salvador, a partir das suas pluralidades, saberes e sabores. Oito bailarinos levam à cena movimentos de investigação e criação que envolvem estruturas e vocabulários de movimentos que caracterizam as danças de salão.

Quarta que Dança 2014 – Desde 3 de setembro e até 29 de outubro, durante nove semanas, toda quarta-feira é de dança. Dez espetáculos, quatro intervenções urbanas e três danças de rua compõem a programação da 16ª edição do Quarta que Dança, que promove apresentações em Salvador e mais quatro cidades: Juazeiro, Lauro de Freitas, Mucugê e Porto Seguro. Cada trabalho será encenado duas vezes, em locais diferentes, gratuitamente, contabilizando 34 sessões de um panorama contemporâneo da diversidade da produção em Dança na Bahia. As 17 propostas participantes foram selecionadas dentre 74 inscritas em edital público. A programação completa pode ser consultada na página www.fundacaocultural.ba.gov.br/qqd.

8ª SEMANA DO QUARTA QUE DANÇA 2014

Quando: 22 de outubro (quarta-feira)

= We can do it!, dança de rua de Michele Araújo, Praça do Campo Grande, 16h

Para Sempre Isadora, espetáculo da Contemporânea Ensemble, Espaço Cultural Alagados, 19h

Balacochê, espetáculo da Bamberg Cia. de Dança, Cine-Teatro Solar Boa Vista, 20h

Quanto: Gratuito

Produção: Mil Produções Artísticas

Parceria: DEC/ Sudecult

Realização: Dirart/ FUNCEB/ SecultBA

www.fundacaocultural.ba.gov.br/qqd

Espaços Culturais SecultBA promovem ações especiais no mês da Consciência Negra

21 out

Festivais temáticos, mostras, exposições e espetáculos fazem parte da programação

Os Espaços Culturais da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) têm programação especial no mês da consciência negra. Festivais, exposições, oficinas e espetáculos de teatro e dança estão entre as ações que integram o Novembro Negro: uma série de atividades desenvolvidas pelo Governo do Estado da Bahia com propósito de fortalecer ações de promoção da igualdade racial no mês de novembro, instituído como o mês da Consciência Negra.

Para começar, o Centro de Cultura de Porto Seguro promove a Semana da Consciência Negra, com programação temática que contempla oficinas de dança afro, exposições, palestras, mostras de cinema e espetáculos. O evento acontece entre os dias 13 e 28 de novembro.

No Centro de Cultura de Alagoinhas, acontece entre os dias 14 e 22 de novembro, a Semana de Arte e Cultura do Litoral Norte e Agreste Baiano, evento que em sua IV edição traz em sua programação importantes manifestações culturais do território, que este ano serão integralmente vinculadas à cultura negra. O festival tem como intuito celebrar e preservar a memória das culturas populares e contempla artistas locais e credenciados.

E não para por aí. Outros espaços promovem ações que integram o Novembro Negro. O Cine Teatro Solar Boa Vista no dia 08 de novembro recebe o Encontrinho de Blogueiras Negras. Os encontros não param por aí: No Teatro Dona Canô, no dia 09 de novembroacontece o I Encontro das Crespas & Cacheados de Santinho.

No Centro de Cultura Olívia Barradas, em Valença, no dia da consciência negra, às 09h acontece uma Exposição Coletiva de Artes Visuaise às 20h a Ocupação Cultural “Arte Negada”. Também no dia 20 de novembro, no Centro de Cultura João Gilberto, em Juazeiro, exposições, desfiles, oficinas de turbantes e apresentações artísticas fazem parte da programação.

Dentre as consagradas ações institucionais da Secretaria de Cultura, o Circuito Popular de Cinema e Vídeo exibe em espaços culturais de todo o estado, filmes da mostra Terças na Tela- Novembro Negro. As sessões ocorrem nos dias 04 e 11 de novembro, com o Filme “Cidade das Mulheres” e 18 e 25 de novembro, com a exibição de “Mandinga em Manhattan”. Ambos os filmes são dirigidos por Lazaro Faria. As sessões acontecem nos horários das 10h, 15h e 19h e a entrada é franca.

A Diretoria de Espaços Culturais realiza ainda o Circuito dos Credenciados, com eventos em todos os espaços culturais e uma programação inteiramente formada pelos contemplados no Credenciamento de Artistas cujo trabalho tenha um enfoque de Cultura Negra.

Para conhecer toda a programação do Novembro Negro, acesse o site da SecultBA ou o blog dos Espaços Culturais Bahia.

Os Espaços Culturais

Na Bahia, são 17 espaços mantidos pela SecultBA ao todo. Desses, 5 estão em Salvador. No interior há centros nas cidades de Alagoinhas, Feira de Santana, Guanambi, Itabuna, Jequié, Juazeiro, Lauro de Freitas, Mutuípe, Porto Seguro, Santo Amaro, Valença e Vitória da Conquista, todos com a missão de contemplar ao máximo a produção cultural de seus territórios. Os Centros contam com o Programa de Dinamização de Espaços Culturais – Ocupe se Espaço.

SERVIÇO

Novembro Negro – Espaços Culturais SecultBA

Durante todo o mês de novembro

Informações no blog dos Espaços Culturais Bahia

Festival Xistinho chega a sua última semana

20 out

felipe_menino_bolha_4-web

 

A alegria fica por conta do Espetáculo “Para o Menino Bolha”

O “Festival Xistinho – Arte, Brincadeira e Traquinagem” chega ao final de sua terceira edição após levar alegria para toda a criançada de salvador durante o mês de outubro. Sua diversificada programação envolveu espetáculos de dança e música além dos já tradicionais espetáculos de teatro.

Para última semana, o espetáculo “Vira Lona, Lona Vira” leva ao Espaço Xisto nessa terça-feira (21), shows de ilusionismo, números de mágica, charadas, e muitas outras manifestações da arte circense. Para o resto da semana, a animação fica por conta do espetáculo “Para o Menino Bolha”. A narrativa conta a história de uma menina que tem dificuldades em fazer amigos de verdade cujo seu único confidente é uma girafa e Pedro, um menino que não toma sol, não sabe andar de bicicleta e tem medo de sair de casa.

O festival que começou dia 01 de outubro e vai até o próximo sábado (25) tem como principal objetivo o desenvolvimento de atividades de fruição, formação e reflexão para crianças de 01 a 12 anos de Salvador e região metropolitana. Em 2014, o xistinho abrangeu também as famílias baianas, com atrações para pessoas de todas as idades.

SERVIÇO

Festival Xistinho.

Vira Lona, Lona Vira

21 de outubro às 14h

Para o Menino Bolha

22, 23, 24 e 25 de outubro

Sessões: 9h30, 14h, 14h30 16h e 20h

 

Consulte a programação completa do festival em espacoxisto.wordpress.com

 

Imagem

Confira a programação do Sarau de Itapuã

16 out

Sarau de itapuã

Oficinas de iniciação em Artes Visuais e Teatro estão com inscrições abertas

14 out

unnamed (3)

 

Cursos gratuitos vão acontecer em espaços culturais no Engenho Velho de Brotas e em Alagados, com foco no público adolescente

O Centro de Formação em Artes (CFA) da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), entidade vinculada à Secretaria de Cultura do Governo do Estado da Bahia (SecultBA), em parceria com a Diretoria de Espaços Culturais (DEC) da Superintendência de Desenvolvimento Territorial da Cultura (Sudecult), realiza oficinas para iniciação em Artes Visuais e em Teatro em dois espaços culturais de Salvador: o Cine-Teatro Solar Boa Vista, no Engenho Velho de Brotas, e o Centro Cultural Alagados, no Uruguai. Abertas até sexta-feira, 17 de outubro, as inscrições são gratuitas e podem ser feitas nos dois locais, das 9 às 12 horas e das 14 às 17 horas, com apresentação de documento de identidade e CPF. As aulas começam na próxima semana e seguem até início de dezembro.

A Oficina de Teatro para Iniciantes, ministrada pelo diretor teatral Ronaldo Braga, vai trabalhar técnicas de expressão corporal, respiratória e vocal, além de exercícios de improvisação e jogos de dramatização. O curso é voltado para pessoas a partir dos 12 anos e tem 20 vagas. As aulas, no Cine-Teatro Solar Boa Vista, vão ocorrer às terças e quintas, das 9 às 12 horas, numa carga horária total de 40 horas, para noções gerais sobre a arte da interpretação, a concentração da atenção, o sentimento da verdade, a memória emotiva, entre outros temas introdutórios.
Continuar lendo

CPCV Especial exibe filmes da semana de Audiovisual Baiano

14 out

cpcv especial. 1.

Como tudo que é bom merece um replay, o Circuito Popular de Cinema e Vídeo (CPCV) leva aos Espaços Culturais da SecultBA da capital e do interior, nos dias 15 e 16 de outubro, filmes que fizeram parte da Semana de Audiovisual Baiano Contemporâneo. O evento, realizado na última semana de setembro, promoveu a exibição de cerca de 100 filmes produzidos na Bahia em paralelo a debates sobre a produção audiovisual no estado com produtores culturais, cineastas, técnicos, atores, estudantes e aficionados por cinema.
Foram selecionados oito curtas-metragens do festival para a mostra: Menino do Cinco (Wallace Nogueira e Marcelo Mattos); Doido Lelé (Ceci Alves); 10 Centavos (Cesar Fernando); Catálogo de Meninas (Cesar Fernando); O Menino Invisível (Murilo Deolino, Uiran Paranhos e Danilo Umbelino); Nego Fugido (Cláudio Marques e Marília Hughes); Mr. Abrakadabra (José Araripe Jr.) e Pra lá do Mundo (Roberto Studart).

O Circuito Popular de Cinema e Vídeo (CPCV) é uma dessas oportunidades de exercermos o nosso direito à diversão em grande estilo. A mostra especial tem como intuito fomentar a circulação e exibição da produção audiovisual da Bahia, levando o rico acervo do festival para o interior do Estado e para regiões não centrais da capital, fortalecendo a difusão do cinema baiano. Estão participando da mostra: Teatro Dona Canô, Centro de Cultura Olívia Barrada, Casa de Cultura de Mutuípe, Centro de Cultura de Porto Seguro e Centro de Cultura ACM, no interior, e o Espaço Cultural Alagados, em Salvador.

Confira a sinopse dos filmes
Menino do Cinco
Direção: Wallace Nogueira e Marcelo Mattos
Duração: 20 min
Classificação Indicativa: 14 anos
Sinopse: A trama conta a história do protagonista, o pequeno Ricardo, um garoto brônquico que vive com o pai num edifício de classe média de Salvador. Ricardo encontra um cãozinho perdido e adota a criaturinha de pêlo amarelado para si. Ele leva o cachorro para casa sem saber que o bichinho pertence a um menino de rua, ligado a um bando de desvalidos. Um dia, o verdadeiro dono resolve reclamar o animal de volta, gerando situações de suspense, até chegar a um desfecho aterrorizante, capaz de sintetizar a paranoia bem-criada em relação à violência.

Doido Lelé
Direção: Ceci Alves
Duração: 17 min.
Classificação Indicativa: Livre
Sinopse: Salvador, década de 50. Caetano, pobre e mestiço, sonha em ser cantor de rádio, para deleite da mãe e contrariedade do pai. Ele foge todas as noites de casa para tentar, sem sucesso, a sorte no programa de calouros. Até que, numa noite, ele aposta tudo numa louca, divertida e definitiva performance. Nada muito diferente se Caetano não fosse apenas um menino.

10 centavos
Direção: Cesar Fernando
Duração: 19min.
Classificação Indicativa: Livre
Sinopse: Um dia na vida de um garoto que mora no subúrbio ferroviário de Salvador e trabalha como guardador de carros no centro histórico. Entre as angústias do jovem, uma em especial: não se tornar um caloteiro e pagar duas dívidas de 10 centavos honestamente. O menino não sossegará enquanto não sanar o débito, que se torna moral justamente pela ninharia que representa.

Catálogo de Meninas
Direção: Caó Cruz
Duração: 13min.
Classificação Indicativa: Livre
Sinopse: Dalvinha é uma menina de 14 anos que mora com a mãe e o padrasto. Durante o dia, dentro de casa, ela é tratada como uma empregada doméstica e à noite estuda em um colégio. Através de Doca, um rapaz que encontra na rua, Dalvinha toma conhecimento do Cabaré Tropical – um espaço onde circulam gringos europeus e que pagam um preço alto em dólar para passar uma noite com jovens garotas. Devido aos conflitos familiares em que vive, ela acaba aceitando os conselhos de Doca para abandonar os estudos e ganhar um dinheirinho extra no cabaré, na esperança de ”viver independentemente” e conquistar um meio de vida ”mais humano”

O Menino Invisível
Direção: Murilo Deolino, Uiran Paranhos e Danilo Umbelino
Duração: 8 min.
Classificação Indicativa: Livre
Sinopse: Um menino morador de rua é sistematicamente ignorado pelos passantes. Entretanto, a pobreza e o abandono não são capazes de embotar seu natural desejo infantil de sonhar. Inspirado em um gibi de super-herói, ele se investe de desconcertante fantasia constituída de despojos artificiais do consumo, para zombar dos perfis (des) humanos que povoam as ruas e da miopia de alto grau que assola a sociedade contemporânea.

Nego Fugido
Direção: Cláudio Marques e Marília Hughes
Duração: 16 min.
Classificação Indicativa:
Sinopse: Dois jovens artistas partem para conhecer um antigo ritual que revive a fuga dos escravos, no interior do Brasil. Lá, eles se envolvem com a celebração de uma forma inesperada.

Mr. Abrakadabra
Direção:José Araripe Jr.
Duração: 13min.
Classificação Indicativa: Livre
Sinopse: Um velho artista já não consegue fazer suas mágicas, desesperado, tenta o suicídio várias vezes, sem obter êxito. Decidido a morrer a qualquer preço, arquiteta um super suicídio. Porém, algo surpreendente acontece.

Pra lá do Mundo
Direção:Roberto Studart
Duração: 1:18
Classificação Indicativa: Livre
Sinopse: Em uma região próxima da Chapada Diamantina, vive um grupo formado por pessoas de diversas nacionalidades, que têm um objetivo em comum: fugir da vida materialista e capitalista das grandes cidades. Este documentário analisa este lugar deslumbrante, mostrando a rotina destas pessoas e os limites desta prática ideológica.

SERVIÇO

CPCV Especial (Semana de Audiovisual Baiano Contemporâneo)
Centro de Cultura de Porto Seguro – 15 de outubr, às 19h
Teatro Dona Canô – 16 de outubro às 15hs
Centro de Cultura Olívia Barradas (Valença) – 15 e 16 de outubro, às 19hs
Espaço Cultural Alagados – 15 e 16 de outubro, às 10hs
Casa de Cultura de Mutuípe – 15 e 16 de outubro, às 19hs
Centro de Cultura ACM (Jequié) – 15 e 16 de outubro às 15hs

Entrada Gratuita

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.989 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: